Brasil tem 9 casos suspeitos de Coronavírus

Na tarde desta quinta-feira (30/01), a Organização Mundial da Saúde declarou emergência global em saúde com relação ao coronavírus.De acordo com informações do Ministério da Saúde, até esta quinta-feira há nove casos considerados suspeitos de coronavírus no Brasil. Há quatro novos casos considerados suspeitos e outros quatro foram descartados. Os quatro novos casos suspeitos foram registrados no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo e Paraná. O caso do Rio Grande do Sul já havia sido notificado e chegou a ser excluído. No entanto, voltou a ser considerado suspeito após o paciente apresentar outros sintomas. Os dados foram fechados pela pasta às 12h desta quinta-feira, quando 43 casos foram notificados pelo Brasil.
Destes, 28 já foram excluídos. Até o fechamento do balanço, os casos estavam distribuídos em: (1) Minas Gerais, (1) Rio de Janeiro, (3) São Paulo, (2) Rio Grande do Sul, (1) Paraná, (1) Ceará.
Atualmente, 6.065 casos de coronavírus foram confirmados em todo mundo, sendo 5.997 somente na China, onde 132 pessoas já morreram. Não houve ainda nenhuma morte em outros países.

Monitoramento
O Ministério da Saúde criou, no âmbito da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), um grupo de emergência em saúde pública, com o objetivo de conduzir e monitorar as ações referentes aos casos de coronavírus.
O grupo de emergência terá prazo de atuação com tempo indeterminado e será composto por representantes do gabinete da presidência da Anvisa; da Gerência-Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados e de Tecnologia em Serviços de Saúde.
O ministério da Saúde também afirmou que não fará qualquer restrição à entrada de chineses no Brasil. Mesmo com a crescente epidemia de coronavírus – que se alastrou pela China – o governo brasileiro não fechará as portas para os chineses. A título de precaução, o MS tem recomendado que as pessoas evitem viajar para aquele país e que empresários evitem receber pessoas vindas da China para reuniões presenciais.
“Nossa recomendação é que não se viaje para a China. Não cabe ao governo brasileiro recomendar que os chineses saiam de lá ou não, mas estamos recomendando as empresas brasileiras que evitem reuniões presenciais com pessoas que vieram da China”, disse José Gabbardo dos Reis, secretário-executivo do MS.
O ministério também considera que a recomendação do próprio governo chinês para que sua população evite viajar ajudará a reduzir o fluxo de visitas. “Essa recomendação pode até virar restrição, mas isso não tem interferência nossa”, acrescentou o secretário-executivo. (Editado com informações de Agência Brasil)

Vacina é desenvolvida nos EUA

Cientistas norte-americanos trabalham para desenvolver a vacina que poderá barrar o coronavírus que, até o momento, já infectou quase 8 mil pessoas em vários países e matou quase duas centenas de pessoas. Se tudo correr bem, dentro de poucos meses a vacina poderá começar a ser testada.
O laboratório da farmacêutica Inovio, na cidade de San Diego, na Califórnia, é neste momento um dos locais onde a vacina está sendo desenvolvida. Os cientistas da Inovio esperam ter o produto pronto para ser testado em humanos no início do verão e já lhe deram um nome: “INO-4800”.
O fato de as autoridades chinesas terem sido rápidas ao divulgar o código genético do vírus ajudou os cientistas a determinar a origem, as mutações que pode sofrer à medida que o surto se desenvolve e a perceber a melhor forma de proteger a população mundial do contágio.
Caso os testes iniciais sejam bem-sucedidos, serão feitos testes em maior escala, principalmente na China, o que pode ocorrer até o fim deste ano. Se a cronologia prevista pela Inovio se confirmar, esta será a vacina desenvolvida e testada mais rapidamente em um cenário de surto.

Sars
Da última vez que um vírus semelhante surgiu, em 2002 – a Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars) -, a China demorou a partilhar informações com o mundo e, por isso, a epidemia já estava perto do fim quando uma vacina foi desenvolvida.


Ministro assina novo contrato de concessão do Terminal STS20

Estão previstas obras de melhorias no maior porto da América Latina

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, esteve em Santos na última quarta-feira (29) para participar da cerimônia de assinatura do contrato de concessão do terminal STS20 destinado a movimentação de fertilizantes e sal em Outeirinhos, no Porto de Santos, com o consórcio Hidrovias do Brasil S/A. O leilão do terminal ocorreu em agosto do ano passado e rendeu R$ 112,5 milhões em outorgas ao governo por um contrato com duração de 25 anos.
Antes da cerimônia, o ministro e o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Diogo Piloni fizeram uma visita técnica ao Porto de Santos, o maior complexo portuário da América Latina, que é responsável pela movimentação de quase um terço das trocas comerciais brasileiras. “Revertemos um prejuízo de R$ 450 milhões em 2018 para um lucro de R$150 milhões em 2019”, disse Freitas sobre a gestão portuária.
A empresa, que já tem atividade logística de transporte de grãos e fertilizantes no Norte do Brasil e hidroviário nos Rios Uruguai, Paraguai e Paraná, vai operar uma área de mais de 29 mil metros quadrados e três armazéns.
“Serão R$ 219,25 milhões investidos em melhorias, como construção de novos e modernos armazéns e dragagem de aprofundamento de berços, com reforço de cais, o que possibilitará a atracação de embarcações maiores”, disse o ministro Tarcísio Gomes de Freitas.
Os investimentos previstos são obras de demolição e construção de armazéns, reforço do cais público, dragagem de aprofundamento, derrocamento do berço de atracação, aquisição de equipamentos para descarregamento de navios, para transporte de fertilizantes e instalação de balanças rodoviárias.
Segundo dados do Ministério, a capacidade de armazenagem anual do terminal é de 1 milhão de toneladas para sal e de 2,6 milhões de toneladas para fertilizantes. “No caso dos fertilizantes, os insumos são importantes, pois abastecem a cadeia agrícola no centro do país. Já no caso do sal, que chega ao porto via cabotagem do Nordeste, o insumo abastece várias cadeias da indústria nacional, sobretudo no estado de São Paulo. Hoje, o terminal movimenta cerca de 50% do sal que chega e sai do Porto de Santos”, divulgou a pasta.

Novo perfil
“A chegada da Hidrovias do Brasil S/A. é importante porque traz um perfil diferente de empreendedor. A empresa agrega a expertise de fundos de investimentos ao negócio. Geralmente, os leilões são vencidos por operadores do setor. Além disso, é a primeira vez que a empresa vai operar em um porto público. Estamos otimistas”, disse o secretário Diogo Piloni.


 

Deixe seu comentário:

Notícias relacionadas

Guarujá cria plano estratégico para possíveis suspeitas do coronavírus

  Da Redação A chegada de um navio de bandeira chinesa (Hong Kong), o Kota Pemimpin, ao Porto de Santos, deixou a sociedade apreensiva sobre a possibilidade de entrada do vírus Covid-19 no País. Especialmente pelo fato de que foi informado que dois tripulantes apresentaram febre durante a viagem. O navio chegou à Barra de Leia mais

Coronavírus: aumento de mortes e casos. O que mudou?

Entre quarta e quinta-feira desta semana, foram registradas 242 vítimas mortais na província chinesa de Hubei, epicentro do novo coronavírus, considerada as 24 horas mais mortíferas desde o início do surto. O motivo da subida vertiginosa no número de casos diagnosticados, com registro de mais 14.840 pessoas infectadas foi explicada pelas mudanças de metodologia na Leia mais

Alta do dólar é consequência de juros baixos, diz Guedes

Da Redação O ministro da Economia, Paulo Guedes, comentou nesta semana sobre a valorização do dólar, que superou R$ 4,35 nesta quarta (12) e voltou a bater recorde. Guedes esclareceu que esse aumento decorre da combinação de juros baixos e contenção do gasto público, e que é consequência do novo modelo econômico que o Governo Leia mais

Guarujá não tem casos suspeitos da doença respiratória

A cidade de Guarujá, que abriga a margem esquerda do Porto de Santos também está em alerta para qualquer emergência, mas ressalta que não há, nem houve, qualquer caso de coronavirús em suspeita na cidade. A informação que circula pelas redes sociais é falsa e pede aos cidadãos que não se compartilhe a ‘fake news’. Leia mais