Connect with us
Entre Sons e Tonsvoluntarios

Colunas

Meu filho está se formando no ensino médio. Como eu posso ajudar?

Publicado

em

Entre Sons e Tons
Escolha Profissional

Meu filho está se formando no ensino médio.

Como eu posso ajudar?

Recentemente, quando ouvi minha filha dizendo: “ — Ano que vem a gente vai cada um para um lado!”, em uma conferência virtual entre os colegas de classe, onde alinhavam assuntos sobre colação de grau e a tão esperada viagem de formatura do Ensino Médio, me deparei com uma realidade que nem percebi chegar: “Ela já vai para a faculdade!”

 — Leia também: Praia Branca: História do Brasil, belezas naturais e surfe mundial

Depois de breve comoção da minha parte, me bateu a dúvida: Será que devo ficar mais incisiva cobrando uma posição sobre qual carreira ela pretende seguir? Ou devo deixar que ela enfrente essa decisão sozinha, sem dar pitaco?

Para me armar com fundamentos, comecei a buscar informações com especialistas sobre como eu poderia ajudá-la nesse novo estágio da vida, sem ‘perder a mão’. Depois de muita leitura, trago nessa coluna alguns elementos que me ajudaram a ter calma, para não aumentar a ansiedade – nem a dela e nem a nossa – nesse início de vida adulta, com muitas responsabilidades e cheia de incertezas.

Qual o papel da família na escolha profissional do adolescente?

Entre Sons e Tons
Segundo a psicóloga e orientadora profissional, Maria Fernanda Alves, é importante dar espaço ao adolescente, e a família pode, e deve, mostrar-se disponível para conversar sobre as profissões consideradas, e ajudar de forma construtiva – mas coadjuvante – na elaboração do projeto de vida que o adolescente está traçando para os próximos anos.

“O processo de escolha profissional é um período de muitas angústias, se os pais e demais familiares se fizerem presentes com intuito de apoiar, aconselhar e impulsionar, o adolescente pode se sentir mais seguro ao explorar as possibilidades e, assim, fazer sua escolha de forma consciente e tranquila”, explicou a psicóloga.

Como os pais podem ajudar de forma prática?

Entre Sons e Tons
Um artigo de Maria Célia Pacheco Lassance, psicóloga e orientadora de carreira, fundadora da Associação Brasileira de Orientação Profissional (ABOP), sugere que reunir informações sobre as diferentes carreiras e conhecer o mercado de trabalho, são os primeiros passos para acertar a escolha profissional. “A escolha consciente só é feita quando a pessoa tem conhecimento de si mesma, e dos aspectos práticos e teóricos da carreira”, explica.

Segundo estudos da ABOP, aquele antigo teste vocacional, que contribui para a escolha do curso A ou B é defasado e ilusório, já que é impossível garantir que um perfil combine com uma carreira específica. O conhecimento do mercado de trabalho que o jovem tem é o de carga afetiva dos modelos que ele conhece e de como ele avalia esses profissionais. Quer status, quer ser a pessoa que admira.

Hoje, ainda pouco difundido no Brasil, existe orientação vocacional, um serviço que contribui para a compreensão das próprias capacidades do jovem, e fornece subsídios que ajudam a pessoa na busca por áreas de interesse para uma carreira.

Esse novo serviço conta com um leque de profissionais aconselhadores, em especial da Psicologia. “Não é uma atividade objetiva, justamente porque tem como base o autoconhecimento da pessoa que está recebendo a orientação, sua percepção das próprias capacidades e do mercado de trabalho”, explica. Por isso, o objetivo da orientação vocacional é ajudar as pessoas a tomarem decisões, com autonomia.

Durante esse processo, é importante o uso de alguns métodos para facilitar a compreensão de quais são as próprias áreas de interesse de nossos filhos: conhecer suas forças e delimitar quais quer utilizar no trabalho; pensar em possíveis profissões; conversar com profissionais das áreas e, por fim, decidir por um ou mais cursos.

“Todos esses passos são importantes, mas o contato com profissionais que atuam em áreas de interesse do estudante merece destaque, porque evidencia as práticas e desmistifica os estereótipos das carreiras”, afirma a psicóloga Maria Célia Pacheco Lassance.

Ainda segundo Maria Célia, conhecer o processo de escolha de curso, como foi a faculdade, o primeiro emprego, quais tarefas da profissão gosta ou não de fazer, é importante. E evita que o estudante ingresse em um curso, ou almeje uma profissão, somente por inspiração, o que pode levá-lo a não concluí-lo, justamente pela falta de reflexão e pesquisa sobre o assunto.

Suporte na primeira grande decisão

A orientação vocacional é importante e única no que se propõe. Veja onde procurar orientação vocacional:

UFRGS • Encontros: três em grupo, com duração de duas horas, cada. Para o atendimento individual (neste momento, com lista de espera), são de quatro a oito, dependendo da demanda do aluno, com duração de 45 minutos. Durante a pandemia, ocorrem online. •Quanto custa: gratuito. • Inscrição e informações no Instagram do Serviço de Orientação Profissional (SOP) UFRGS: @sopufrgs.

PUCRS • Consultoria: são seis encontros presenciais ou online (única modalidade disponível durante a pandemia) com psicólogo especializado. Duração de 45 minutos cada. A triagem (etapa prévia de seleção) é gratuita. Após isso, aluno da PUC não paga. Egresso PUC, formado há mais de dois anos, e estudante de outra instituição desembolsam R$ 650. Para profissional sem vínculo com a universidade, R$ 1 mil. Agendamento via WhatsApp (51) 99984-1653, das 9h às 18h.

UNISINOS • Orientação com quatro encontros presenciais ou online com psicólogas especializadas. Uma hora cada. •Aluno ou egresso da Unisinos paga R$ 39. Sem vínculo com a universidade, R$ 154. • Inscrição: (aqui)