O alerta da ‘pirralha’ às futuras gerações

A ativista sueca Greta Thunberg, de 16 anos, foi eleita a ‘pessoa do ano’ pela revista “Time” nesta quarta-feira (11). Ela ganhou fama e inspirou movimentos estudantis na luta contra o aquecimento global e em defesa da natureza. A estudante é a mais jovem a ser indicada individualmente ao título. Ela já discursou eventos internacionais como a Cúpula do Clima (Nova York), Conferência do Clima da ONU e o Fórum Econômico Mundial.
Um dia antes de Greta ser nomeada “Pessoa do Ano”, o presidente Jair Bolsonaro criticou o espaço dado pela imprensa para a ativista, a quem chamou de “pirralha”. Isso porque, no sábado (7), Greta compartilhou um vídeo sobre as mortes dos indígenas brasileiros e escreveu que esses povos são assassinados ao tentar proteger a floresta do desmatamento ilegal.
“A Greta já falou que os índios morreram porque estavam defendendo a Amazônia. É impressionante a imprensa dar espaço para uma pirralha dessa aí, pirralha”, declarou o presidente. Horas depois da fala do presidente brasileiro, Greta mudou a sua apresentação no Twitter para “Pirralha”, em resposta à fala do presidente brasileiro.
Greta, a exemplo de diversos ativistas que ergueram suas vozes antes dela, se destaca pela relevância das palavras que profere. Com seu jeito inocente, porém firme, a adolescente vem discursando a favor do clima e do fortalecimento de ações e políticas públicas ambientais dos países nos encontros de líderes mais proeminentes do planeta.
E sendo levada a sério. Despertando o debate, apontando dados científicos já comprovados, discutindo ações relevantes sobre o clima mundial. Uma ´pirralha’, como disse nosso presidente, que é levada a sério a nível global e já é exemplo para as novas gerações.
Bolsonaro tem todo o direito de se opor às ideias da jovem, pois não faz segredo de seu posicionamento pessoal contra as políticas de preservação ambiental.
No entanto, ele precisa reconhecer que o Brasil tem muito a avançar no debate sobre o clima e que o momento de apresentar projetos futuros é agora. Esse sim, será, seguramente, o melhor legado de seu governo para as futuras gerações.

 

Saudosismo
A iluminação de Natal de Guarujá será inaugurada neste fim de semana e vale registrar que um leitor desta coluna elogiou as gaivotas da Av Thiago Ferreira e disse que deram um toque saudosista ao Itapema. É só conferir.

Gafanhotos
A política em Guarujá, entra eleição, sai eleição, está cada vez mais ladeira abaixo. Os interesses por trás dos discursos de reconstrução e das soluções simples e baratas que se apregoam nesses tempos têm o mesmo DNA dos grupos políticos que atuam há décadas na cidade. Para esses, quem não está com eles, está contra eles. Guarujá não merece ser novamente invadida por gafanhotos. Vigiemos!

Paraquedistas
Por falar em gafanhotos, os movimentos pré-candidatura de políticos de Guarujá estão fervilhantes. Muitos nomes pipocando nesse cenário, mas pouca novidade, pois os candidatos paraquedistas tradicionais já estão se apresentando. Ora, pois!

Prefeito
Enquanto isso, a política da boa vizinhança do prefeito Válter Suman também está sendo intensificada. Os encontros periódicos do prefeito com a população em seu consultório em Vicente de Carvalho foi base permanente nos últimos três anos, mas, a julgar pelas últimas ações, os encontros com a população se darão com mais frequência.

Servidores
Para quem se queixa que o prefeito não valoriza o servidor e nem aparece pra um cafezinho, é bom se preparar. Bobeou, ele aparece num setor, numa repartição, num consultório de UPA. É só ficar atento e levar sua reivindicação. Depois não adianta reclamar da atenção dispensada.

Comércio
No comércio de Guarujá, só alegria com o pagamento da segunda parcela do 13º do funcionalismo de Guarujá. Somados ao pagamento mensal das empresas, a época das compras de fim de ano foi oficialmente aberta. Pra ajudar, a prefeitura também inicia a fiscalização no comércio para as compras de festas. Nossa sociedade merece.

Instituto do Mar
Nesta sexta-feira (13), das 9 às 12 horas, professores e diretores do Instituto do Mar (Imar), da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Campus Baixada Santista, estarão na Base de Monitoramento Ambiental de Guarujá, que funciona na Casa Flutuante Aratu, localizado no km 13,5 da Estrada Guarujá-Bertioga.

Carnaval
O prazo para inscrição de agremiações, para a participação no Carnaval 2020 em Guarujá, foi prorrogado em 10 dias. O prazo anterior, publicado em edital no dia 27 de novembro, era até o dia 10 deste mês. Portanto, as escolas de samba interessadas terão agora até o próximo dia 20 para se inscrever.

Papai Noel
A Prefeitura de Guarujá realiza até o dia 24 deste mês a Operação Papai Noel. A ação vai intensificar o patrulhamento e aumentar a presença de agentes de segurança nas áreas turísticas e comerciais do Centro e de Vicente de Carvalho. A operação envolve mais de 100 agentes, entre guardas civis municipais e policiais militares.

Papai Noel II
A área de atuação abrange toda a orla, com agentes presentes desde a praia do Guaiúba até o Pernambuco, além do controle de tráfego de veículos na Av. Santos Dumont, Cônego Domênico Rangoni, Avenida Lídio Martins Correa – trecho do bairro Morrinhos até a Avenida da Saudade, e fiscalização da fila da balsa, na Avenida Adhemar de Barros.

Papai Noel III
Haverá também operação especial de recepção de turistas, fiscalização de barreiras, fiscalização do comércio ambulante irregular, perturbação de sossego, lazer náutico e apoio aos eventos de Natal que agitam a Cidade no final de semana.

Papai Noel IV
Já em Vicente de Carvalho, as equipes estarão em patrulhamento pelos principais corredores e pontos estratégicos. Entre eles, Avenida Santos Dumont, Avenida Oswaldo Cruz, Praça 14 Bis, Av. Thiago Ferreira e adjacências.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um documento atemporal

Na terça-feira, 10, a Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) completa 71 anos. O documento defende a igualdade das pessoas e a luta contra a opressão e a discriminação. Reconhece também que os direitos humanos e as liberdades fundamentais devem ser aplicados a todos, independente da cor da pele, etnia, sexo, religião, idioma, opinião política, origem nacional ou social ou qualquer outra condição.
Traduzida em mais de 500 idiomas, a Declaração inspirou as constituições de muitos Estados e democracias ao redor do mundo. Em 10 de dezembro de 1948, foi promulgada pela Organização das Nações Unidas (ONU) para resguardar os membros da família humana das barbáries e dos horrores das guerras.
Seguindo os princípios da DUDH, ao longo de 2019, a Secretaria da Justiça e Cidadania intensificou as ações que envolvem o combate à violênciaa contra a mulher, a discriminação, a intolerância religiosa e a xenofobia. Lançamos cinco campanhas que tratam da liberdade de crença religiosa, do papel da mulher na transformação da sociedade, do acolhimento de imigrantes, da prevenção do uso de drogas entre adolescentes de escolas públicas e da cidadania no trânsito.
Por meio a Centro de Referência e Apoio à Vítima (Cravi), a Secretaria da Justiça oferece atendimento público gratuito nas modalidades psicossocial e jurídica a vítimas, e seus familiares, de crimes violentos, homicídio, feminicídio e latrocínio. Nos 11 primeiros meses do ano, foram realizados 2.250 atendimentos; incluindo os serviços prestados após o ataque na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano. Aumento de 85% em comparação com o mesmo período de 2018, em que foram prestados 1.213 atendimentos.
Os técnicos do Cravi também estão prestando apoio psicossocial às famílias das vítimas de Paraisópolis. Até o momento, dezoito pessoas foram contatadas, entre familiares e quem esteve no local. Os servidores trabalham em parceria com a Defensoria Pública do Estado de São Paulo e a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social para visitar as famílias.
Além disso, para facilitar o acesso da população aos serviços públicos e disseminar os trabalhos desenvolvidos na área de direitos humanos, nesta segunda-feira, 9, a Secretaria da Justiça promoverá a 2ª Feira dos Direitos Humanos, em comemoração aos 71 anos da DUDH. Mais de 40 serviços gratuitos serão oferecidos à população nas áreas de saúde, educação, mercado de trabalho, assistência social, entre outras.
A Declaração Universal dos Direitos Humanos motiva as nossas ações, o documento é atemporal. É nosso dever enquanto Estado resguardá-la em defesa do bem-estar das pessoas.

Paulo Dimas Mascaretti é secretário de Estado da Justiça e Cidadania de São Paulo

 

A Greta [Thunberg, 16 anos] já falou que os índios morreram porque estavam defendendo a Amazônia. É impressionante a imprensa dar espaço para uma pirralha dessa aí, pirralha.

Jair Bolsonaro – Presidente da República, sobre a ativista ambiental eleita a ‘pessoa do ano’ pela revista “Time” nesta quarta-feira (11)

Deixe seu comentário:

Notícias relacionadas

Opinião Nos vemos na internet

Nos vemos na internet Informamos aos nossos leitores e parceiros comerciais que, em consequência da pandemia covid-19, iremos suspender, temporariamente, a impressão e distribuição física da nossa edição semanal do jornal A Estância de Guarujá. Isso NÃO significa que o jornal A Estância encerrou suas atividades. Muito pelo contrário. Continuamos firmes e atuantes nas redes Leia mais

Opinião – Deflagrada a terceira Guerra Mundial?

Deflagrada a terceira Guerra Mundial? A peste, chamada em nossa era de Covid-19, está em guerra contra os seres humanos e tem fome de quem não leva a sério as recomendações de prevenção, levando à morte os entes queridos de quem deixa a porta aberta a um ataque aos mais vulneráveis. Apesar da semelhança, não Leia mais

Opinião As muitas prioridades de uma cidade

As muitas prioridades de uma cidade A polêmica da semana sobre uma possível atuação do Exército Brasileiro nos dois primeiros dias da tragédia em dois morros de Guarujá, causada pelas chuvas intensas da semana passada, tem sido bastante explorada pelos diversos grupos políticos da cidade. Para alguns, seria possível salvar mais pessoas se a atuação Leia mais

Opinião – Edição 5424

Mais uma tragédia anunciada Uma lição que custa a ser aprendida pelas autoridades, ainda que seja conhecida por todos os governantes em todas as esferas de poder público. Habitações em áreas de risco não podem ser toleradas, mas elas ainda proliferam. E em muitos casos, contam com o olhar míope dos governos para se alastrar. Leia mais