Roubo de celulares aumenta com reabertura da economia

Tendência foi de queda das ocorrências durante isolamento social

A reabertura gradual do comércio e da economia em diversas regiões do estado de São Paulo fez crescer os caixas das empresas e também outra estatística: o roubo de celulares. Um estudo realizado pelo Departamento de Pesquisas em Economia do Crime da FECAP no primeiro semestre de 2020 mostrou uma queda brusca de roubos de aparelhos nos meses de abril e maio, e um aumento significativo desse tipo de crime em junho, justamente o mês em que começou a flexibilização da economia.

Segundo o estudo, que compila e analisa boletins de ocorrência e dados da Secretaria de Segurança Pública, foram registradas 69.628 ocorrências de roubo de celulares no Estado de São Paulo no primeiro semestre.

No entanto, esse número pode ser ainda maior, visto que para esse tipo de crime é mais comum ocorrer subnotificação; e a pesquisa descarta boletins de ocorrência incompletos ou com erros, por critério de aproximação para objetivos estatísticos.

Para o economista e pesquisador do Instituto de Finanças FECAP, Allan S. Carvalho, a queda expressiva entre os meses de março a maio pode ser explicada, em grande parte, pelas medidas de isolamento social decretadas no Estado.

“Notamos que com a reabertura gradual da economia, as taxas de roubos já se elevaram, mas os números ainda se encontram inferior ao do mesmo mês do ano passado”, opina.

OS NÚMEROS

Janeiro: 14203 roubos, 24% menos do que o mesmo mês de 2019;
Fevereiro: 14043 roubos, 19% menos do que o mesmo mês de 2019;
Março: 12028 roubos, 40% menos do que o mesmo mês de 2019;
Abril: 8372 roubos, 55% menos do que o mesmo mês de 2019;
Maio: 8047 roubos, 58% menos do que o mesmo mês de 2019;
Junho: 12935 roubos, 32% menos do que o mesmo mês de 2019.

O estudo verificou uma queda de 38% no número de roubos no primeiro semestre de 2020, quando comparado com o mesmo período de 2019.

Quando são comparados os dados mensais em relação ao mesmo período de 2019, pode ser notada quedas acentuadas, com grande destaque ao mês de maio (-58% em relação ao mês de maio/19). Entretanto, em junho/2020, os casos aumentaram em mais de 60%, quando comparamos com o mês maio/2020.

O período do dia de maior ocorrência de roubo é durante a noite (44,57%), seguido da tarde (22,08%), manhã (18,94%), madrugada (14,14%) e em hora incerta (0,26%).

A capital do Estado é a cidade com maior ocorrência de roubo de celulares, registrando um total de 39.996 ocorrências, ou 57,44% do total de ocorrências do Estado.

Deixe seu comentário:

Notícias relacionadas

No Ideb, entre as 100 melhores escolas públicas do Brasil, 50 são Etecs

Média obtida pelas Etecs foi 6, superior à das escolas de Ensino Médio do Brasil e acima dos resultados de todas as regiões do país As Escolas Técnicas Estaduais (Etecs) mostraram novamente a qualidade do ensino que oferecem à população de São Paulo. Nesta terça-feira (15), o Ministério da Educação (MEC) anunciou o Índice de Leia mais

Empreender em tempos de crise é possível

Da Reportagem Os efeitos da pandemia pelo novo coronavírus na economia do Brasil já podem ser medidos. Recentemente, o IBGE divulgou os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), onde destaca que segundo trimestre de 2020 encerrou com taxa de desemprego de 13,3%, quantidade recorde de desalentados e o menor número Leia mais

Caixa paga hoje auxílio emergencial para nascidos em março

A Caixa Econômica Federal segue com o Ciclo 2 de pagamentos das parcelas do auxílio emergencial. Hoje (4) é a vez de 4,1 milhões de beneficiários, nascidos em março, receberem o crédito na poupança social. Os créditos começaram no dia 28 de agosto pelos beneficiários nascidos em janeiro. Depois, no dia 2 deste mês, o Leia mais

Leilão arrecada R$ 505 milhões com concessões no Porto de Santos

De Agência Brasil – São Paulo Foram leiloadas hoje (28) por R$ 505 milhões duas áreas no Porto de Santos (SP) para movimentação de celulose. As vencedoras foram a Eldorado Celulose e a Bracell Celulose. As concessões têm validade de 25 anos. O certame foi promovido pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). O leilão Leia mais