Asteroide “potencialmente perigoso” passará próximo à Terra a mais de 120 mil km/h

Segundo a Nasa, o F032 é o maior, entre os asteroides que se aproximarão da Terra em 2021 – o que proporcionará, aos astrônomos, “uma rara oportunidade de se observar uma relíquia rochosa que se formou no início do nosso Sistema Solar”. Momento de maior aproximação será às 13h do dia 21 de março

Uma rocha formada nos primórdios do Sistema Solar, com cerca de 1 quilômetro (km) de diâmetro e 550 metros de largura, passará, segundo os padrões astronômicos, muito perto da Terra, a uma velocidade de aproximadamente 124 mil km/h.

Apesar de classificar o objeto como “potencialmente perigoso”, a agência espacial norte-americana (Nasa) garante: “não há risco de colisão dele com nosso planeta nem agora, nem nos próximos séculos”.

Chamado 2001 FO32, esse asteroide descoberto em março de 2001 atingirá seu ponto de maior proximidade com a Terra no dia 21 de março, por volta das 13h (horário de Brasília). De acordo com a Nasa, ele estará a uma distância de cerca de 2 milhões de km: o equivalente a pouco mais do que cinco vezes a distância entre a Terra e a Lua.

Segundo a agência, o F032 é o maior, entre os asteroides que se aproximarão da Terra em 2021 – o que proporcionará, aos astrônomos, “uma rara oportunidade de se observar uma relíquia rochosa que se formou no início do nosso Sistema Solar”.

“Essa distância é próxima em termos astronômicos, e é por isso que o 2001 FO32 foi designado um ‘asteroide potencialmente perigoso’ ”, explica o diretor do Centro de Estudos de Objetos da Terra Próximo, da Nasa, Paul Chodas, referindo-se ao asteroide cuja órbita ao redor do Sol ocorre a cada 810 dias.

A próxima visita do asteroide às vizinhanças da Terra está prevista para 2052, quando ele passará a cerca de sete distâncias lunares, ou 2,8 milhões de quilômetros do planeta.

De acordo com a Nasa, mais de 95% dos asteroides próximos à Terra, com tamanho similar ou maior ao do F032 já foram descobertos, rastreados e catalogados. Nenhum deles tem qualquer chance de impactar a Terra. Pelo menos “no próximo século”, conforme diz, em seu site, a agência espacial dos Estados Unidos.

“Ainda assim, os esforços continuam para descobrir todos os asteroides que podem representar um risco de impacto. Quanto mais informações puderem ser reunidas sobre esses objetos, melhor os projetistas de missões podem se preparar para desviá-los se algum ameaçar a Terra no futuro”, destaca a agência.
Fonte: Agência Brasil
Foto: Nasa

Deixe seu comentário:

Notícias relacionadas

Coluna Entre Sons e Tons conversa com Jangadeiro

O SOL HÁ DE BRILHAR, QUANDO ISSO TUDO ACABAR! Como todo momento desafiador, atualmente podemos optar por nos conectarmos com o lado negativo, percebendo nossas limitações, perdas e prejuízos, ou, por outro lado, olharmos para o cenário de uma forma mais positiva, vendo os obstáculos como uma oportunidade de mudança e evolução. Na arte, especialmente, Leia mais

Entre Sons e Tons: Legião Urbana a tudo vence? Eis a questão!

Em meio a Pandemia, uma decisão judicial esquenta os bastidores do rock nacional. A disputa judicial sobre a titularidade e utilização da marca Legião Urbana vem causando ansiedade entre os milhares de admiradores desse legado, que deixou 12 discos, com mais de 14 milhões de cópias vendidas, entre 1982 e 1996. Canções ecoadas até hoje Leia mais

Entre Sons e Tons: Como vai a sua saúde mental durante a pandemia?

Muitas coisas foram acontecendo, em relação a maneira como estamos expostos ao vírus, as notícias, as mortes, aos novos comportamentos. Saúde mental não é deixar de sentir coisas ruins. É não se deixar dominar por elas. “Me sinto no Titanic. O barco vai bater e o capitão não desvia. Está afundando e o povo dançando, Leia mais

Coluna ‘Entre Sons & Tons’ destaca a rotina de músicos durante a pandemia

COMO TEM SIDO A ROTINA DOS MÚSICOS NA PANDEMIA? Se viver de música sem COVID-19 já era difícil, imagina durante a pandemia? Muitos estão se desdobrando como podem, fazendo bicos em outras áreas, vendendo material na internet, compondo música para fora, divulgando seu trabalho nas plataformas, dando aulas e, até, recebendo doações. Mas, ainda assim, Leia mais