Estudo indica que vacinação em São Paulo deve priorizar periferia

Segundo pesquisa, imunização deve considerar a geografia da pandemia

Pesquisa do Instituto Pólis mostrou que a vacinação contra a covid-19 na cidade de São Paulo deve priorizar bairros periféricos para otimizar a imunização coletiva, já que nessas regiões estão as populações mais afetadas pela doença. O estudo foi realizado a partir do mapeamento de hospitalizações e óbitos pela doença na capital paulista ao longo de todo o ano passado.

Isso significa que vacinar grupos etários prioritários – como os idosos – em regiões específicas das cidades seria uma estratégia mais eficiente do que uma distribuição que desconsidera a geografia da pandemia.

O levantamento identificou quais áreas da cidade registraram sobremortalidade, ou seja, regiões em que o número de mortes observadas é maior que o de mortes esperadas, considerando a distribuição etária local em relação ao perfil demográfico geral do município.

“O planejamento da imunização e as ações de vigilância e controle epidemiológico não podem ignorar os efeitos desiguais da pandemia sobre a população e é fundamental que fatores como raça e a localização da mortalidade sejam entendidos como elementos chave nas ações de combate ao coronavírus”, disse Vitor Nisida, pesquisador do Instituto Pólis.

Os dados mostraram também que a população negra, que mora principalmente em áreas de vulnerabilidade social, são os que mais morrem de covid-19. Em 2020, morreram 52% mais homens negros do que brancos e 60% mais mulheres negras do que brancas em decorrência de covid-19. O levantamento utilizou o método de padronização, que possibilita que duas populações de diferentes composições etárias sejam comparadas.

A diferença foi observada principalmente entre os idosos negros, que morrem quase duas vezes mais em relação à população total nessa faixa etária. Além disso, a sobremortalidade é maior entre negros do que entre brancos em 74 dos 96 distritos administrativos da capital paulista.

Em estudo anterior, com base nos dados do primeiro semestre, o Pólis já havia identificado essa maior vulnerabilidade de pessoas negras à morte por covid-19. Na ocasião, o médico sanitarista e pesquisador do Pólis, Jorge Kayano afirmou que as condições de vida gerais da população negra são, em média, piores do que as da população branca – como renda, grau de instrução, tipo de trabalho e vínculo empregatício – o que contribui para que seja mais vulnerável. https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2020-08/mortalidade-por-covid-19-e-maior-entre-populacao-negra-em-sao-paulo

Bolhas de imunidade
Segundo as análises, a população idosa de distritos como Sapopemba, Brasilândia, Freguesia do Ó, Iguatemi e Jardim Helena deve ser priorizada na aplicação das vacinas, já que, além do maior número de mortes de idosos, essas áreas apresentam sobremortalidade de pessoas negras e têm alta concentração espacial de óbitos gerais.

A utilização de critérios territoriais para a imunização, concentrando as vacinas disponíveis em determinadas zonas, deve criar as chamadas bolhas de imunidade de forma mais rápida. “Essas bolhas se comportariam como barreiras físicas à circulação do vírus, com potencial de reduzir a taxa de contágio nas cidades como um todo, além de imunizar alguns segmentos populacionais por inteiro, ainda que localmente”, explicou Jorge Kayano.

“Regiões mais centrais, que somam 4,33% de habitantes com 75 anos ou mais em relação ao total do município, registraram 2,81% dos óbitos entre idosos com essa mesma idade em São Paulo. Por outro lado, a porção norte do distrito de Sapopemba, por exemplo, na zona leste, onde residem apenas 0,97% da população mais idosa da capital paulista, é onde estão 1,46% das mortes totais de pessoas com 75 anos ou mais”, divulgou a entidade.

A partir do levantamento, a entidade avalia que vacinar somente por critério de faixa etária não garante a imunização da população mais atingida pela pandemia e atrasaria a proteção de toda a sociedade. Ainda segundo a análise, a territorialização da estratégia de vacinação não deve substituir o plano de imunização vigente, mas complementar os critérios por idade.

Publicado em 18/02/2021 – 21:03 Por Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil – São Paulo

Deixe seu comentário:

Notícias relacionadas

Coluna Entre Sons e Tons conversa com Jangadeiro

O SOL HÁ DE BRILHAR, QUANDO ISSO TUDO ACABAR! Como todo momento desafiador, atualmente podemos optar por nos conectarmos com o lado negativo, percebendo nossas limitações, perdas e prejuízos, ou, por outro lado, olharmos para o cenário de uma forma mais positiva, vendo os obstáculos como uma oportunidade de mudança e evolução. Na arte, especialmente, Leia mais

Entre Sons e Tons: Legião Urbana a tudo vence? Eis a questão!

Em meio a Pandemia, uma decisão judicial esquenta os bastidores do rock nacional. A disputa judicial sobre a titularidade e utilização da marca Legião Urbana vem causando ansiedade entre os milhares de admiradores desse legado, que deixou 12 discos, com mais de 14 milhões de cópias vendidas, entre 1982 e 1996. Canções ecoadas até hoje Leia mais

Entre Sons e Tons: Como vai a sua saúde mental durante a pandemia?

Muitas coisas foram acontecendo, em relação a maneira como estamos expostos ao vírus, as notícias, as mortes, aos novos comportamentos. Saúde mental não é deixar de sentir coisas ruins. É não se deixar dominar por elas. “Me sinto no Titanic. O barco vai bater e o capitão não desvia. Está afundando e o povo dançando, Leia mais

Coluna ‘Entre Sons & Tons’ destaca a rotina de músicos durante a pandemia

COMO TEM SIDO A ROTINA DOS MÚSICOS NA PANDEMIA? Se viver de música sem COVID-19 já era difícil, imagina durante a pandemia? Muitos estão se desdobrando como podem, fazendo bicos em outras áreas, vendendo material na internet, compondo música para fora, divulgando seu trabalho nas plataformas, dando aulas e, até, recebendo doações. Mas, ainda assim, Leia mais